Apenas bonecos de ventríloco

O Sergio encontrou um pen drive com copias de e-mails que trocamos em 2005! Foram e-mails do período em que estávamos em Atlanta e logo que voltamos para o Brasil!

Ele me mandou alguns destes e-mails agora e eu acho que vamos nos divertir muito lendo tudo aquilo.

Em um deles, tinha um papo sobre uma versão para a música “a nova loira do tchan” e no outro estávamos discutindo as possibilidades de sair do Brasil:

– doutorado no exterior.

– emprego em multi-nacional alemã (????)

– procurar um desses consulados de paises que aceitam imigrantes.

Como é difícil a vida sem saber o que vai acontecer no futuro! Eu imagino os ventrílocos se divertindo com a nossa aflição e decidindo para onde iam nos mandar!!! Decidiram nos mandar para o Canadá, através de um processo de imigração infinito e terminando bem no ano da grande crise mundial: 2009.

Ninguem pode dizer que nós não somos persistentes!!!

 

Visita da polícia

Eu costumo deixar a porta da frente aberta quando está sol. O Blue adora ficar deitado ali tomando um solzinho e vendo o movimento da rua. Tem uma porta de vidro que eu posso trancar para ele não sair e eu fico tranquila.

Hoje eu nao só deixei a porta aberta como deixei a chave na fechadura!!! Mas apesar de ter esquecido, não me preocupo porque a porta de vidro fica trancada! Mas alguem viu e se preocupou porque a campainha tocou e era a polícia.

O policial foi muito educado e disse que alguem ligou para eles porque achou estranho a porta aberta e a chave na porta! Então eles vieram averiguar se estava tudo bem!

Que bonitinho!!! Se eles soubessem que até a bolsa com todos os documentos eu já esqueci na entrada da casa, passariam a fazer ronda na minha rua todo dia!

Manuais desorganizados

E nessa brincadeira de organização, eu resolvi pegar a caixa dos manuais para dar uma olhada!!! Na verdade eu precisei olhar o manual do meu fogão porque programei o forno para ligar em 1 hora e ele não funcionou. Fui pra natação e quando cheguei em casa a carne ainda estava crua: 😦

Já fazia muito tempo que eu não pegava nela e descobri que grande parte daqueles equipamentos já tinham sido doados ou ido para o lixo! Agora estou com uma caixinha com todos os manuais separados por tipo de produto e cheia de espaço para novas aquisições!

Eu guardo tanta coisa que até as notas dos moveis que comprei na Ikea, quando chegamos no Canadá em 2009, estavam todas guardadas lá. É bem verdade que a tinta já está toda apagada, mas elas estavam guardadinhas!

Agora está tudo separadinho em por “tipo:

– Maquina de lavar roupa, secadora, fogão…

– batedeira, torradeira, liquidificador…

– Wii, 3DS, outros jogos…

– Computador, dvd, tv…

e claro… a pastinha outros porque tem coisa que não dá pra categorizar, rs

Episódio suspeito

Há duas semanas atrás, o Sergio estava dando banho nas meninas no vestiário da natação. Neste local tem o vestiário feminino, o masculino e um que é para famílias. Naquele horário, só têm pais com crianças que fazem aula de natação no local, então o vestiário das familias está sempre cheio e os outros completamente vazios.
De repente começa uma discussão enorme no vestiário e o Sergio não entendeu nada. Na aula deste ultimos sábado, ele viu a mãe que estava brigando ha duas semanas atrás e foi perguntar o que tinha acontecido.
Esta mãe, viu um rapaz, sozinho andando só de toalha no vestiário e ela achou estranho e inconveniente. O rapaz ficou muito bravo, fez o maior escândalo e ela foi reclamar com a direção.
 Esta semana havia um cartaz avisando que aquele vestiário pode ser usado por qualquer pessoas mas nos horários de esportes infantis o uso é restrito a pais com crianças.
Eu sei que as pessoas têm todo o direito de ir e vir mas me pareceu muito estranho o comportamento daquele rapaz. Em um horário cheio de crianças usando o vestiário porque ele não foi usar o vestiário masculino que estava vazio?

A religião da ciência trazendo ignorância ao mundo do conhecimento

A internet é uma coisa fascinante: ter todas as informaçoes acessiveis o tempo todo nos dá um mundo de possibilidades mas…
Alguns estudiosos de sociologia acreditam que as pessoas com um pouco mais de cultura estão a cada dia se afastando mais da religião.
Algumas coisas acabam perdendo o sentido na religião e isso criou um vazio nestas pessoas. Muitas vezes este vazio acaba sendo preenchido por novos conhecimentos, especialmente os estudos científicos e ai aparecem as rel…igiões da ciência, que as pessoas seguem cegamente.
Esses estudos científicos, muitos vezes mal feitos, outras vezes mal interpretados, outros mal traduzidos e muitos simplesmente inventados, criam um numero infinito de informaçoes contraditórias que somente confundem as pessoas. No final, o que a gente vê, são pessoas aparentemente bem formadas, cultas e com grande capacidade de discernimento, falando besteiras enormes sobre assuntos que desconhecem: algumas vezes colocando em risco suas proprias vidas e espalhando desinformação neste mar de informaçoes desencontradas que a internet nos bombardeia todos os dias.
No final, todo mundo fica no mesmo nivel de ignorância!

Projeto “cruzando o Canadá caminhando”

250px-BeaverCreekYTO Sergio adora caminhar, mas eu sou bem mais preguiçosa. Para tentar me incentivar  a me exercitar mais o Sergio inventou uma história de cruzarmos o Canadá andando. Tem varias pessoas fazendo a brincadeira no trabalho dele e nós resolvemos fazer juntos e ver em quanto tempo cruzamos o Canadá do extremo oeste até o extremo leste.

A brincadeira funciona assim: usamos um contador de passos para nossas atividades diárias e tentamos caminhar o máximo possivel. No final do dia, contamos os passos de cada um, somamos, transformamos em Km e colocamos no google maps para acompanhar o trajeto.

Eu montei um trajeto que sai do povoado de Beaver Creek, no Yukon, indo até St John, em Newfoundland and Labrador:

Nosso trajeto:

O google montou um percurso dando as opções de estradas e trails para ir caminhando e eu ajustei um pouco o roteiro porque queria passar por Toronto, Ottawa, Montreal, Regina e outras cidades… Cada vez que chegarmos a uma cidade eu vou falar um pouquinho dela só por curiosidade. Acaba sendo um jeito de conhecer um pouco do Canadá, mesmo não tendo saído de Toronto!

A foto aí em cima é do povoado de Beaver Creek é o povoado mais a oeste do territorio canadense, próximo da fronteira com o Estado americano do Alaska. A sua população era em torno de 100 pessoas em 2011 e nesta madrugada a temperatura vai atingir a marca agradavel de -33°C!!!

Em dois dias nós já percorremos 15KM e pelo que estou vendo no mapa, estamos bem longe da próxima cidade que é a capital do Território do Yukon, White Horse!

E ai, se anima a nos acompanhar neste trajeto?

 

E quem disse que curling é um jogo chato???

Nós assistimos o time masculino canadense batendo a China e foi muito emocionante! Ganharam na última pedra da prorrogaçao. O que mata é são os comentaristas de velório!! Dá até vontade de chorar com tanta falta de animação. Tenho certez que com um radialista brasileiro o jogo ficaria ainda mais emocionante!

Quem quiser aprender um pouco mais sobre o esporte… http://www.sochi2014.com/en/curling-about

Family skating

Durante o inverno, as escolas inventam um monte de atividades para os alunos se exercitarem. Se no verão eles podem fazer caminhadas e corridas ao redor da escola e da vizinhança, no inverno fica um pouco mais dificil.

Uma das atividades anuais de grande parte das escolas (se não todas) é a patinação no gelo em família. Pra quem não sabe, skating é patinação e os patins são chamados de skates. A escola aluga uma arena , normalmente coberta, por algumas horas e todos alunos e pais podem ir. Vc pode até levar amigos e outros familiares.

As crianças vão para a escola no horario normal e depois dos “anuncios” do dia (cantar o hino, rezar, dar os recados) eles vão a pé para a arena aqui da vizinhança.

Muitos pais se voluntariam para ajudar a colocar os patins e capacetes nas crianças e muitos pais vão patinar junto. É uma oportunidade excelente para os pais se conhecerem e conhecerem os professores em um ambiente fora da escola. Até a diretora estava lá patinando (sou fã dela).

Claro que eu fui ajudar as crianças a se prepararem, auxiliei no que pude, mas não entrei para patinar. Espero que no ano que vem eu já possa: fiquei morrendo de inveja de todo mundo que foi, rs.

As crianças amam essas atividades em família e eu, metida que só, sempre que posso, estou lá… me divertindo!

Não troco meu trabalho por nada nesse mundo!